ImagemAté alguns meses atrás comprar um e-reader com preço menor significava ter que importar o aparelho do estrangeiro, e ainda pagar 60% de imposto sobre o valor do aparelho e também sobre o valor do frete, taxa esta que não existiria se o governo respeitasse o que diz a constituição em relação aos livros; a outra alternativa para pagar menos no e-reader implica em viajar ao exterior e trazer o aparelho em viagem usando da cota sem imposto de produtos adquiridos no exterior, esta ainda é a alternativa mais barata, pois aqui paga-se imposto de importação que não incide sobre livro, apesar do e-reader ser a acepção moderna do livro. Shakespeare é autor, e está idêntico em papel ou e-reader, também Rabelais, Goethe, Flaubert e Joyce, os mesmos livros em papel lidos no e-reader, mas com imposto.

http://www.ebookbr.com/2013/03/os-e-readers-venda-no-brasil.html

Anúncios